Tertúlia

Tertúlia

Em espanhol, a palavra tertúlia se refere a uma reunião de pessoas que se juntam habitualmente para conversar, abordando assuntos que lhe interessam. Esta dinâmica, que visa promover a interação oral, está inspirada nas tertúlias que floresceram em muitas cidades latino-americanas no século XIX, em que artistas plásticos/as, músicos/as, poetas e poetizas, escritores/as, jornalistas e seus seguidores e apoiadores costumavam se reunir para apresentar suas novas obras, para discutir sobre os rumos (e os sem rumos) da política nacional, para compartilhar as “novidades” do velho mundo, ou simplesmente para usufruir de um momento de sociabilidade.

Nossa Tertúlia é pensada como um espaço de encontro de pessoas de origem ou ascendência espanhola ou hispano-americana, e que como tais dominam a língua espanhola, mas nem sempre têm a oportunidade de falar “sua língua” no âmbito público; pessoas que já investiram algum tempo, estudando a língua ou moraram no exterior, e querem manter e/oi ampliar os conhecimentos adquiridos e, finalmente, pessoas que estão dando os primeiros passos na sua aprendizagem do idioma e desejam potencializar esse processo com momentos de imersão lingüística e cultural.

Essa diversidade do grupo possibilita a troca de conhecimentos e experiências, reviver memórias e histórias e, também, compartilhar projetos relacionados com a língua e culturas espanhola e hispano-americana, assim ao mesmo tempo em que estabelecemos e/ou reforçamos os laços que nos unem no tempo com essa/s cultura/s.

Os temas abordados na Tertúlia são estabelecidos a partir da manifestação de interesse dos/as participantes, que no primeiro encontro, explicitam os temas que gostariam que fossem abordados. Assim, é conformado um banco de temas a serem sorteados em cada encontro. Esse banco é alimentado com a chegada de novos participantes, a partir de novas experiências de vida dos membros do grupo, ou suscitados pelos próprios acontecimentos sociais, culturais, políticos etc.

Assim, a Tertúlia constitui um ótimo espaço de aprendizagem multicultural, convidativo e participativo para todos/as os/as interessados/as em manter, reforçar, conquistar e compartilhar conhecimentos da língua e culturas espanhola e hispano-americana.

Serviço de revisão e tradução de textos

Serviço de revisão e tradução de textos

Na linguagem escrita, a produção de textos de forma adequada é chave, pois não há segunda chance para correções e esclarecimentos.

Em situações corriqueiras podemos recorrer a tradutores online, pois estes costumam ter bom desempenho na tradução de frases ou palavras isoladas. Contudo, quando se trata de textos em que se avalia nossa atuação profissional, não podemos arriscar a correta transmissão do significado veiculado no texto.

Os erros mais comuns cometidos pelos tradutores online são: a supressão de palavras, a tradução incorreta de nomes próprios ou termos desconhecidos, a desconsideração do contexto, comprometendo com isso o próprio sentido do texto.

Realizo os seguintes serviços:

  • Tradução de trabalhos e artigos científicos. Trata-se de uma tradução mais especializada, pois requer o domínio da linguagem acadêmica e de termos específicos da área de conhecimento em questão. Disponho de uma formação acadêmica multidisciplinar que possibilita o domínio da linguagem científica e do léxico de diferentes áreas do conhecimento para traduzir seu trabalho de forma fiel e adequada.
  • Tradução de sites. A internet possibilitou superar as fronteiras físicas da sua empresa, mas, de fato, seu negócio se amplia quando você consegue superar as fronteiras linguísticas, abrangendo novos públicos. Segundo o relatório “O Espanhol: uma língua viva”, o idioma em comum multiplica por quatro as exportações bilaterais entre os países.
  • Revisão de textos. Mesmo quando você tem certo domínio do espanhol e conta com ferramentas oferecidas pela tecnologia, é bom não correr o risco de que seu trabalho carregue erros que, para o tradutor online ou o(a) falante não nativo(a), costumam passar desapercebidos. Seu trabalho merece ser conhecido da forma adequada.

Espanhol para fins específicos

Espanhol para fins específicos

É uma área do ensino do espanhol que vem ganhando relevância desde a década de 1990. O espanhol para fins específicos objetiva o domínio da língua utilizada por profissionais em determinado contexto laboral, como acadêmico, empresarial, turístico, entre outros.

Nesse sentido, o processo de ensino-aprendizagem parte do perfil da/o cliente, sua área de atuação e necessidades formativas, construindo um programa de estudo para a aquisição de competências que lhe permitam estabelecer uma comunicação especializada na língua.

Salienta-se a potencialidade da aprendizagem em contexto laboral, utilizando textos reais, situações vivenciadas na profissão, participação ativa da/cliente na apresentação de problemas profissionais e caminhos de resolução.

A aprendizagem da língua especializada envolve também o conhecimento da “cultura profissional” do contexto específico, suas normas, formas de interação, etc.

  • ESPANHOL ACADÊMICO

O desafio da internacionalização das universidades federais e estaduais vem sendo promovida pelas próprias instituições de ensino como um dos quesitos para a excelência acadêmica, sendo também valorizado pelas agências de financiamento. Nesse sentido, o domínio da língua especializada pode se tornar um obstáculo concreto para os professores(as) e pesquisadores (as) que pretendem ampliar seus horizontes, criando novas redes de conhecimento ou tornando mais ativas as já tentam manter.

  • ESPANHOL DOS NEGÓCIOS

O âmbito empresarial é um campo de vanguarda nos processos de internacionalização no contexto de globalização atual. Contudo, segundo uma pesquisa financiada pela FAPESP, referente ao comportamento das multinacionais brasileiras, destaca vários obstáculos que estas enfrentam para cruzar as fronteiras.

Desenvolver uma competência comunicativa no espanhol possibilita contar com uma ferramenta valiosa no cotidiano da empresa e se reflete no retorno financeiro desses profissionais, como revela uma pesquisa salarial da Catho Empresas*.

*O domínio de outro idioma, mais do que um atributo pessoal. Disponível em: <http://www.catho.com.br/salario/action/artigos/O_dominio_de_outro_idioma_mais_que_um_atributo_pessoal.php>.

Exames De Proficiência De Espanhol

Exames De Proficiência De Espanhol

O Diploma de Espanhol Língua Estrangeira (chamado DELE) certifica o nível de competência na língua. Este exame é aplicado no Brasil pelo Instituto Cervantes, em nome do Ministério de Educação, Cultura e Esporte da Espanha.

De acordo ao Quadro Comum Europeu de Referência para as línguas*, foram estabelecidos seis níveis de proficiência de espanhol, trazendo especificações para a clássica divisão entre: Usuário Básico, Intermediário e Avançado. Os seis níveis de proficiência: A1, A2, B1, B2, C1 e C2 exigem demonstrar competências progressivas no uso da língua, envolvendo compreensão e produção de diferentes tipos de textos (orais e escritos), pertencentes a diversos âmbitos de atuação e, segundo o nível avaliado, com grau de complexidade crescente.

Possuir um certificado de proficiência é fundamental para quem projeta estudar ou realizar estágio no exterior e, sem dúvida, traz um diferencial para profissionais que desejam aceder a vagas de emprego em empresas brasileiras e internacionais. Para professores(as) de espanhol não nativos(as), a realização do DELE comprova sua competência no uso da língua, complementa o currículo e os(as) prepara a docência na área.

A preparação para este exame prioriza a aquisição e treino das habilidades específicas para cada prova: Compreensão de leitura, Expressão e interação escrita, Compreensão auditiva, e Expressão e interação orais, considerando o tempo para a realização de cada uma delas. Também, proporcionam-se momentos de avaliação e reflexão para identificar as principais dificuldades do/a cliente, ver como superá-las, otimizando seu desempenho.

* Ministerio de Educación, Cultura y Deporte. Marco Común Europeo de Referencia Para las Lenguas: Aprendizaje, Enseñanza, Evaluación. Madrid: 2002.

Recentemente, foi criado o Serviço Internacional de Avaliação da Língua Espanhola que certifica de competência na língua por meios eletrônicos. É uma iniciativa que tenta dar mais agilidade e flexibilidade ao processo de obtenção da certificação. Porém, mantém as mesmas exigências estabelecidas no Marco Comum Europeu de Referência para as Línguas (MCER).

Trata-se de uma clara aposta à internacionalização e fortalecimento do espanhol como língua global. É pan-hispânico por incorporar as diferentes variações lingüísticas da língua.

O exame do SIELE é uma boa opção para quem precisa certificar seu nível de espanhol num curto prazo de tempo, pois o certificado da prova fica disponível em apenas três semanas.

Algumas empresas já começaram a solicitar este exame nos processos de seleção de candidatos. Também, há universidades que o exigem como parte dos quesitos para a admissão de futuros estudantes em programas internacionais de grado e pós-grado.

A preparação para este exame exige o conhecimento das distintas provas, o treino com as ferramentas disponibilizadas pelo sistema, ter ciência do sistema de avaliação e contar com estratégias específicas para obter o melhor desempenho.

Desde 2010, o Exame Nacional do Ensino Médio inclui, na prova de Linguagens e Códigos, o conhecimento de língua estrangeira, podendo optar entre Espanhol e Inglês. As questões de língua estrangeira avaliam a interpretação de textos e a capacidade de entender a língua em seu uso cotidiano.

Quando não se tem formação numa língua específica, a proximidade entre o português e o espanhol acaba orientando a escolha, sendo que, 60% dos candidatos escolhem Espanhol**.

Contudo, essa “vantagem” inicial pode se tornar um obstáculo incontornável, quando os/as candidatos/as não conseguem se preparar adequadamente. A proximidade de vocabulário entre o português e o espanhol confunde, apagando os falsos cognatos; embaçando os sentidos que uma frase pode ter a partir da multiplicidade de significados que uma palavra pode expressar; além das próprias variações de sentido transmitidas pelos tempos verbais, entre outros. A “pegadinha” é apenas a falta de conhecimento da língua espanhola e de aspectos culturais centrais para a correta interpretação dos textos apresentados.

Segundo o relatório citado, o nível de acertos nas questões da prova apenas alcança 34%. Considerando que essas questões representam 11% da prova de Linguagens e Códigos, se sair bem nelas é uma ótima oportunidade para obter melhores resultados no ENEM. Com a preparação adequada, as questões de língua estrangeira podem ser “ponto dado”.

Considerando que o ENEM avalia o conhecimento e uso da língua como instrumento de acesso a informações e a outras culturas e grupos sociais, minha metodologia prioriza a utilização de textos reais, de diversas tipologias para desenvolver a habilidade de interpretar e entender a língua nos seus diferentes usos (informativo, literário, publicitário, político etc.). Também, proporcionar ao cliente, alguns conhecimentos sobre a cultura, história e atualidades do contexto da Espanha e América Latina que lhe permitam ampliar sua capacidade de interpretação leitora, inferindo os sentidos dos textos apresentados, identificando: intencionalidade, críticas, argumentos, posicionamentos, usos de termos, entre outros.

** O Impacto da Língua Estrangeira no ENEM. Missão Universitário. Disponível em: <http://conteudo.missaouniversitario.com.br/o-impacto- da-lingua- estrangeira-no-enem>